Embora seja o sintoma mais evidente de Parkinson, o tremor nem sempre é sinal da doença, além de nem sempre atingir todos os portadores. Parte da população desenvolve, em determinados momentos da vida, algum tipo de tremor, que serve como um alerta para demonstrar que algo não está certo. As causas são várias e vão desde a doença de Parkinson ao Tremor Essencial. Entenda.


O tremor essencial é o distúrbio do movimento mais comum que existe, afetando mais pessoas que o próprio Parkinson. Cerca de 20% da população acima de 65 anos podem ter tremor essencial em algum momento. Mas qual a diferença entre o tremor essencial e o tremor de Parkinson?

O tremor essencial é de origem genética e é um tremor de ação, ligado ao movimento e também à postura. Ele provoca tremores involuntários e rítmicos, principalmente nas mãos, durante um movimento voluntário. Ele começa gradualmente em um lado do corpo e atinge braços, cabeça, laringe, língua e queixo. Ao contrário do tremor de Parkinson, o tremor essencial ocorre quando a pessoa está se mexendo, e não em repouso.

Já a Doença de Parkinson é uma doença complexa, que envolve muitos sintomas além do tremor. Ele é um dos primeiros sinais da doença e começa timidamente em um dedo da mão ou em uma perna em um momento de repouso, quando a pessoa está parada. A área afetada treme quando não está em movimento. Ao se mexer, se levantar ou mudar de posição, o tremor tende a parar. Com a progressão da doença, ele pode ficar mais evidente e afetar os dois lados do corpo.

Procurar um profissional especializado para identificar a diferença entre uma doença e outra é fundamental para o diagnóstico correto e a definição do tratamento adequado, de acordo com as necessidades de cada paciente. Procure seu neurologista de confiança.